NÃO PERCA SUA HORA!

quinta-feira, 19 de julho de 2012

DEPUTADO ISRAELENSE RASGA BÍBLIA E A CHAMA DE ABOMINÁVEL


O deputado do parlamento israelense (Knesset), Michael Ben-Ari, rasgou um Novo Testamento e atirou-o ao lixo em frente às câmaras em seu gabinete.
De acordo com o site israelense NRG, 120 deputados receberam cópias do Novo Testamento como presente de Victor Kalish, diretor-executivo de uma editora cristã especializada na distribuição de textos religiosos em Israel.
O deputado Ben-Ari, membro do ultranacionalista Partido da União Nacional, sentiu-se ofendido e justificou seu ato dizendo que “este livro abominável promoveu o assassinato de milhões de judeus durante a Inquisição. É uma horrenda provocação missionária da Igreja Cristã. Não há dúvidas que este livro e seus remetentes pertencem ao lixo da história”.
Ele lembrou ainda que muitos cristãos perseguiram os judeus, ao longo dos séculos, acusando-os de serem os responsáveis pela crucificação de Jesus.
O porta-voz do governo Mark Regev disse: “Lamentamos este comportamento e condenamos sem rodeios. Essa ação está em desacordo com os nossos valores e nossas tradições. Israel é uma sociedade tolerante, mas temos tolerância zero para este tipo de ato desprezível e odioso”.
Kalish justificou que enviou as Bíblias com uma carta explicando que se tratava de uma edição especial, com mais de 90 mil referências. “Trata-se de um precioso fruto da cooperação entre as Sagradas Escrituras e cristãos de todo o mundo, que lança luz sobre o Antigo Testamento e ajuda a compreendê-lo”, explicou Kalish.
O ato gerou polêmica em Israel, mas foi noticiado que Tzipi Hovotely, membro do partido governista do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu,enviou um pedido ao presidente do Knesset, exigindo que seja proibida a distribuição de materiais missionários.
A Liga Anti-Difamação (ADL) divulgou um comunicado condenando o de ato Ben-Ari. “Como judeus, esperamos que os outros tratem os nossos livros sagrados com respeito e compreensão. Também devemos mostrar respeito pelos livros sagrados de outras religiões”, disse Abraham Foxman.
“Um membro do parlamento é um representante do Estado de Israel e não deveria mostrar um desrespeito tão grande por outra fé”, continuou Foxman. “Suas ações são contrárias aos valores judaicos e os padrões de uma sociedade democrática como Israel”.
A ADL enviou uma carta a Ben-Ari, sugerindo que a melhor resposta teria sido “chamar as autoridades competentes para investigar”. O grupo lembrou que a editora que enviou as Bíblias disse que sua intenção era “informar os parlamentares da riqueza dos textos religiosos produzidos em Israel”, e não para fazer proselitismo.
Outro membro do Knesset, Reuven Rivlin, do partido Likud, condenou o ato do colega. “Imagine o que aconteceria se um membro do Parlamento de outro país queimasse uma cópia do Torah, porque pensou que a enviaram como uma provocação”. “Democracia significa liberdade de expressão”, finalizou Rivlin, “e não a liberdade de ignorar os sentimentos dos seguidores de outras religiões”.
Traduzido de Israel National News e Yahoo News

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja Bem Vindo!